magazinecidamont

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Cuidado com às linhas de, pipas, raias e etc.

Essa garotinha foi vítima da linha de pipa com cerol. Graças a Deus ela está viva e bem, a sua mãe autorizou as postagem das imagem para alertar outras famílias. fiquem de olho nas linhas de pipa do seus filhos.

ÍNDIOS KANINDÉS: UMA RIQUEZA CULTURAL NO MEIO DO SERTÃO DO CEARÁ.


Uma riqueza cultural que remonta o passado no meio do Sertão do Ceará. Essa é a parada da Reportagem do C4 NOTÍCIAS DO POVO ONLINE, para conhecer melhor a história de um povo que ajudou a formatar a origem da cidade mais religiosa do Nordeste. Os Canindés (ou Kanindé) são um povo indígena que vive nos municípios de Aratuba (Sítio Fernandes) e Canindé (Fazenda Gameleira) no Estado do Ceará. São cerca de 710 pessoas. A última visita do repórter fotográfico Antônio Carlos Alves a tribo indígena foi no dia 17 de abril de 2002. Passados 14 anos retornamos para ouvir José Maria Pereira dos Santos, o cacique Sotero, líder do grupo.

Segundo ele, os Kanindés são associados aos Janduis e aos Paiacus, compondo grupos que descenderiam dos Tarairus. O nome dos Kanindés está ligado a seu chefe histórico Canindé, mais importante na tribo dos Janduís, que comandou a resistência deste povo no Século XVII, o que forçou o rei de Portugal à assinatura de um tratado de paz em 1962, tratado este que foi posteriormente descumprido pelos portugueses. Seus descendentes ficaram desde então conhecidos como Kanindés em referência ao histórico líder e à ancestralidade.

Os Kanindés têm por tradição oral serem originários da área que compreende o atual município de Mombaça, tendo percorrido junto aos seus parentes Jenipapos-Kanindés trajeto pelas margens do RIO CURU, passando por Quixadá entre os rios Quixeramobim e Banabuiú, até chegar às suas atuais terras em Canindé e Aratuba. A história dos Kanindés é marcada desde tempos remotos por uma série de deslocamentos forçados. Entretanto, conseguiram os Kanindés manter laços de parentesco entre as duas comunidades que compõem o grupo entre o Sertão Central e a Serra do Maciço de Baturité.
Os Kanindés possuem forte cultura de caça herdada de seus antepassados. Têm conhecimento de utilização de diversas armadilhas como o quixó de geringonça, que utilizam para capturar mocós, tejos, pebas, veados, nambus, siriemas, juritis, tendo sempre o cuidado de não violar o período de gestação dos animais. O respeito à sustentabilidade é passado de geração em geração visando à manutenção da caça através dos tempos.

Em 1996, foi aberto à visitação o Museu dos Kanindé, no qual merece destaque o trabalho em madeira com instrumentos de caça. Entre o acervo, além de muitos documentos, documentação e objetos dos mais variados tipos: bichos (couros, cascos, penas etc.), artefatos (principalmente de cipó, palha, cerâmica e madeira), material arqueológico, indumentária, vegetais, minerais, fotografias, adornos, equipamentos musicais e para o trabalho na roça, moedas e medalhas etc. O Museu dos Kanindés, como é conhecido, surgiu antes mesmo da organização da Associação Indígena Kanindé de Aratuba (AIKA) em 1998, a partir da sua participação no movimento indígena cearense. A organização do museu ocorreu concomitantemente ao processo de mobilização pelo reconhecimento da identidade indígena. A maior parte do povo indígena Kanindé forma a parentela constituída por núcleos familiares extensos moradores da Aldeia Fernandes, localizada a cinco quilômetros da zona urbana do município de Aratuba, à cerca de 140 quilômetros de Fortaleza, na região do maciço de Baturité. Suas principais atividades são a caça e a agricultura de subsistência. Plantam, principalmente, feijão, fava, milho e mamona. Durante o processo inicial de mobilização étnica, grande parcela do grupo assumiu o etnônimo “Kanindé”, com o qual passaram a identificar-se coletiva e publicamente perante as comunidades vizinhas, a sociedade cearense e o movimento indígena local. Inicialmente, tiveram um grande apoio da entidade indigenista Missão Tremembé, que possibilitou que participassem de projetos e intercâmbios com outros povos do Ceará e do nordeste. Se auto-designam como um ‘povo caçador. Entre as atividades de subsistência, a caça é sempre enfatizada, ao lado da agricultura, praticada como complemento necessário para a alimentação.

Fotos e texto de Antônio Carlos Alves

Polícia registra cinco assaltos nas últimas horas, na cidade de Quixadá

5_plantao_policialaaaA expectativa é com a chegada do patrulhamento motorizado no fim de julho, mas nada é certo.
Os dados demonstram que os crimes de homicídios vêm sendo reduzidos drasticamente no município de Quixadá, na região Central do Ceará, porém, roubos e furtos só aumentam as estatísticas, o que causa sensação de violência.
Nesta quarta-feira, 22, mais uma onda de assaltos foi registrada, na Rua Dom Lucas, no bairro Campo Velho, em um frigorífico foi assaltado por indivíduos. Além de dois celulares a quantia de R$ 800,00 (oitocentos reais) foram levados da vítima.
Já na esquina da Rua Luiz Lúcio, bairro Carrascal, dois indivíduos a pé, armados com um revólver, abordaram e subtraíram uma motocicleta Fan 150, cor preta, ano 2014/2015, placa PML-1838. Os bandidos fugiram em direção ao Centro da cidade.
Na Avenida Plácido Castelo, no Centro, em uma bomboniere, dois indivíduos numa motoneta Pop, de cor vermelha, armados com um revólver, chegaram ao referido comércio e sob ameaça, coagiram uma mulher, subtraíram uma quantia em dinheiro que a vítima não soube informar e seu celular LG, em seguida fugiram em direção ao Clube Xerife.
Ainda na cidade de Quixadá, na Praça da Estação, um homem de 53 anos estacionou seu veículo, ao retornar, um indivíduo moreno, a pé, de calça jeans, blusa preta, com uma mochila, furtou sua carteira que estava no interior no carro. Na carteira continha sua CNH e de seu filho, cartões de créditos, documentos do veículo e a quantia aproximadamente de R$ 40,00 (quarenta reais).
Na Rua Frazão Cravo, no bairro Rodoviária, um indivíduo a pé, armado, coagiu uma mulher de 25 anos, e subtraiu a motoneta Biz 125, cor vermelha, ano 2013, placa OSJ-9773 e dois celulares.
Recuperação de motoneta roubada
Uma motoneta Pop de placa OSC-3035, de cor vermelha foi encontrada em uma casa em construção. Segundo a polícia,  referido veículo consta como roubado.

Bandidos tentam assaltar moto e executam adolescente de 15 anos, em Pedra Branca

As autoridades sempre alertam que nunca se deve reagir um assalto, pois os bandidos podem atirar.
adolescente_pedra_br_assalto
Uma tentativa de assalto terminou na execução de um adolescente, de apenas 15 anos de idade, no município de Pedra Branca, na região Central do Ceará. Até o momento ninguém foi preso, mas a Polícia Civil trabalha com o objetivo de desvendar mais esse crime.
De acordo com a Polícia Militar, o delito foi na localidade de Sitio Trapiá, e teve como vítima o adolescente Francisco Jailson, de 15 anos. Ele estava na garupa de uma motocicleta, quando os bandidos anunciaram assalto, o condutor não obedeceu e tentou fugir.
A polícia disse que o condutor acelerou a moto, ultrapassando os indivíduos. Eles efetuaram disparos, sendo que, dois projéteis acertaram o peito esquerdo do menor.
A composição da Polícia Militar fez as devidas diligências no intuito de prender os autores, mais até o fechamento dessa matéria ninguém foi preso.
Fonte: Revista Central

Homem estupra enteada e sobrinho

Um agricultor morador do município de Monsenhor Tabosa (a aproximadamente 306Km de Fortaleza) foi condenado a 85 anos e seis meses de prisão pelo estupro da enteada de 12 anos e do sobrinho de 20 anos, portador de um transtorno mental. A condenação do réu requerida pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) foi proferida na última segunda-feira (20).
De acordo com a investigação, que teve apoio do Conselho Tutelar, do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e da Polícia Civil, Milton de Sousa Santos abusava sexualmente e agredia psicologicamente o sobrinho, com ameaças para a vítima não contar a ninguém sobre os abusos constantes ocorridos em açudes da cidade e até em bares.
Quanto à enteada, a violência sexual ocorria nas madrugadas ou quando a mãe da vítima saía de casa por algum motivo. Nos depoimentos prestados, as duas vítimas deram detalhes do crime de estupro de vulnerável por parte do padrasto e tio.
O caso chegou ao conhecimento da Promotoria de Justiça de Monsenhor Tabosa através de denúncia no Disque Direitos Humanos. "De imediato iniciamos investigação própria e requisitamos a presença das vítimas", explica o promotor de Justiça da cidade, Luiz Cogan. Em 21 de março foi feito o pedido de prisão temporária de Milton de Sousa Santos, o que foi deferido pelo juiz substituto Mikhail de Andrade Torres. A denúncia criminal foi oferecida em 20 de abril.

Morre paciente com câncer que se casou em hospital em Juazeiro, no CE

Sandra Raquel Nogueira morreu por falência múltipla dos órgãos.
Ela descobriu estágio avançado da doença e sonhava com casamento.

Do G1 CE

Servidores do Hospital Regional do Cariri, em Juazeiro do Norte, se mobilizaram para realizar o casamento religioso de Sandra, diagnosticada com câncer em estado avançado (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)Servidores do Hospital Regional do Cariri, em Juazeiro do Norte, se mobilizaram para realizar o casamento religioso de Sandra, diagnosticada com câncer em estado avançado (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)
A manicure Sandra Raquel Nogueira, internada com câncer no Hospital Regional do Cariri e realizou o sonho de se casar dentro na unidade, faleceu na manhã desta quinta-feira (23), quase dois depois do casamento. Em 2 de junho, os servidores da unidade realizaram a cerimônia de casamento religioso para a paciente, que se uniu em matrimônio com Sérgio Nogueira. (assista à cerimônia no vídeo abaixo)
Em 2015, Sandra foi diagnosticada com câncer nos ovários. Devido ao tratamento tardio, a doença se espalhou pelo corpo, causando falência múltipla dos órgãos às 8h30 desta quinta, de acordo com a Secretaria da Saúde do Ceará. Quando se casou, Sandra Raquel estava ciente de que a doença estava em estado avançado e pediu para que realizassem o sonho do casamento religioso.
“Eu estou emocionada. Só que não vou chorar, pois hoje não é dia de choro, é de alegria. Eu já passei por tanta coisa e não chorei e não vai ser neste momento feliz que vou chorar. Sempre sonhei em casar diante de Deus. Já até tínhamos pensado sobre o assunto, mas com pouco dinheiro e muita coisa para fazer, o sonho sempre era adiado”, disse Sandra, na data do casamento.
Avanço da doença
“É uma paciente jovem que teve diagnóstico de neoplasia de colo uterino e, infelizmente, por não ter realizado o tratamento precocemente, a doença se disseminou. A gente tem invasão do sistema urinário e de outros órgãos que fazem com que a paciente tenha mais complicações, sangramentos e intercorrências, sangramentos e sangramentos. Intercorrências que fazem com que o internamento se prolongue e que a gente tenha mais dificuldade de estabilizar o quadro da paciente para dar alta”, explica o médico Carlos Eduardo Alencar.
Para realizar o sonho de Sandra e Sérgio, muitas pessoas se mobilizaram, entre enfermeiras, assistentes sociais, maquiadora, cabeleireira e uma cerimonialista. O terceiro andar do Hospital Regional do Cariri foi transformado em palco para a cerimônia religiosa e a recepção.

PF investiga fraudes no INSS no valor de R$ 5 mi

Um servidor e um ex-servidor do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foram conduzidos coercitivamente até a Su

perintendência Regional da Polícia Federal, na madrugada de ontem, para darem esclarecimentos durante a deflagração da 'Operação Ciranda'. Além deles, outro homem suspeito de integrar a quadrilha que dava golpes na Previdência Social por meio de benefícios irregulares e empréstimos consignados fraudulentos prestou depoimento. A Polícia Federal estima que o prejuízo causado aos cofres públicos pela organização criminosa seja de cerca de R$ 5 milhões.
Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas residências dos suspeitos e na agência do INSS do bairro Damas. Segundo a delegada Adriana de Araújo Correia, da Delegacia da Repreensão de Crimes Previdenciários da PF, o esquema também acontecia na agência do Centro. O material apreendido será analisado em conjunto com a Assessoria de Pesquisa Estratégica da Previdência, que contribuiu na coleta dos dados.
O ex-servidor ouvido, ontem, foi demitido no curso das investigações, quando o INSS descobriu que ele forjou uma pensão para si próprio. Atualmente, atuava como atravessador do esquema. "Ele é suspeito de ter fraudado, pelo menos, 30 benefícios", esclareceu a delegada. Segundo ela, o outro servidor deferiu um benefício para a filha de 15 anos, que nunca tinha sido sequer contribuinte, já que não tinha idade para trabalhar.
Esquema
Adriana Correia declarou que a fraude contemplava dois golpes diferentes. A princípio eles forjavam os benefícios sociais, depois conseguiram fraudar empréstimos consignados. "Falsificavam documentos, alteravam tempo de contribuição ou data de nascimento para deferir benefícios de pessoas que ainda não tinham direito. Em outros casos, os servidores nem falsificavam nada, apenas inseriam dados falsos no banco do INSS".
Um atravessador fazia a ponte entre a pessoa que tentava o benefício e o funcionário do INSS. Quando as fraudes eram efetivadas os servidores e atravessadores recebiam parte do dinheiro dos beneficiados.
"Não acreditamos na participação das pessoas que requeriam os benefícios. Realmente achavam que tinham direito. Entregavam documentos sem saber que seriam modificados. Os atravessadores diziam que ia dar certo, mesmo sabendo que para isto precisavam de uma fraude. Estes atravessadores, inclusive, não deveriam ter conhecimento de como funcionava o INSS, mas alguns deles tinham até documentos que não podiam sair da Instituição", explicou Adriana.
O maior número de fraudes se deram na concessão de benefícios da Lei Orgânica da Assistência Social (Loas). No entanto, vários outros foram autorizados de forma irregular. A delegada disse que mais de 100 casos foram identificados, desde o ano de 2012, quando as investigações tiveram início.
Empréstimos
Os dois funcionários ouvidos pela PF conseguiriam fraudar também empréstimos consignados. "As pessoas faziam o empréstimo em um banco para ser descontado no benefício. Depois iam até a agência do INSS e protestavam a dívida. O desconto das parcelas era bloqueado pelos servidores, que cancelavam o empréstimo e já contratavam outro. Isso é ilegal, porque um novo empréstimo só pode ser feito quando a reclamação do primeiro for resolvida. Um destes servidores foi responsável por 70% de todas as exclusões de empréstimos de Fortaleza".
Os investigados responderão, na medida de suas participações, por estelionato previdenciário, formação de quadrilha, falsificação de documento público, uso de documento falso e inserção de dados falsos em sistema de informações com penas que podem chegar a 12 anos.