quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Vereadores Aprovam Doação de Terreno para Construção da Delegacia da Mulher



Foi votado e aprovado por unanimidade na Câmara Municipal de Vereadores, na última sexta-feira (12), o projeto de lei do executivo municipal que trata da doação do terreno para construção da Delegacia da Mulher em Canindé.

No mês março, que é o mês dedicado às mulheres, o SINDSEC Canindé lançou uma campanha que tem como tema "NÃO SE CALE"; essa campanha colheu assinaturas da população local e de municípios da região para que a luta tivesse a força do povo.

As vereadoras Zeleide Araújo, Karlinda Coelho e Jane Gomes também participaram da coleta de assinaturas. De acordo com a presidente do SINDSEC Aurenice Santiago, o sonho de muitos anos começa a ser realizado. ´´É só o começo, pois muito ainda temos que fazer, mas somos fortes e vamos lutar para que esse sonho seja realidade”,disse a presidente Aurenice.

O terreno que agora será doado ao Estado para construção da Delegacia da Mulher está localizado no bairro do Monte, próximo à sede do DETRAN Canindé.

Policiais investigados por pedofilia virtual

OPERAÇÃO 'INFÂNCIA DIGNA'

Dois PMs estão na mira da PF por suposto envolvimento na divulgação de conteúdo sexual com crianças

Image-0-Artigo-1701474-1
Delegada Alexsandra Medeiros explicou que os crimes serão investigados com base nos materiais apreendidos nas casas dos suspeitos e que, por este motivo, ninguém havia sido preso durante a operação
KIKO SILVA
A Polícia Federal (PF) deflagrou ontem, em Fortaleza, a operação 'Infância Digna', que cumpriu cinco mandados de busca e apreensão. Os trabalhos tinham como objetivo apurar denúncias de divulgação de conteúdo sexual envolvendo crianças e adolescentes que teria partido de computadores localizados na Capital. Dois policiais militares estão entre os investigados.
De acordo com a chefe da Delegacia de Migração (Delemig), que está interinamente respondendo também pela Delegacia Institucional (DelInst), delegada Alexsandra Medeiros de Oliveira, as investigações partiram de denúncias feitas por empresas de tecnologia e internet.
"Este trabalho está sendo desenvolvido há dois anos. Recebemos denúncias do Google e do Facebook, informando que detectaram conteúdo sexual envolvendo crianças e adolescentes. Eles nos mandaram a lista dessas pessoas e solicitamos os dados dos IPs às empresas de telecomunicações. Fizemos os levantamentos e solicitamos os mandados de busca à Justiça", disse.
Segundo Alexsandra, todos os mandados foram cumpridos e os cinco suspeitos estiveram nos locais durante a ação policial.
"Fomos até as cinco residências indicadas e lá apreendemos notebook, aparelho celular, máquina fotográfica, pen drive, HD externo e vários cartões de memória com imagens e vídeos. Tudo será levado para análise, para localizar os arquivos pornográficos", esclareceu.
Policiais
Os mandados foram cumpridos nas residências dos cinco envolvidos, nos bairros Meireles, Rodolfo Teófilo, Bom Futuro e Conjunto Ceará.
Em duas das residências apontadas pelas investigações da Polícia Federal, os agentes descobriram que moram dois policiais militares que também serão investigados pelos crimes.
"Chamou a atenção o fato de que dois dos suspeitos indicados são PMs. Eles moram sozinhos, o que dificulta alegar que, encontrando algum arquivo nos aparelhos apreendidos, eles não sabiam da existência daquilo", afirmou a delegada.
Alexsandra alegou, ainda, que as investigações poderão identificar, inclusive, quem são as crianças que aparecem nas imagens pornográficas denunciadas, caso sejam de fato confirmadas as suspeitas.
"Não sabemos se essas crianças que aparecem nas imagens denunciadas pelas empresas são cearenses ou brasileiras. O material todo será levado para análise e, após a perícia, será possível dizer algo ou até identificá-las".
Na operação, ninguém foi preso. A delegada afirmou que ainda é necessário a existência de mais provas para incriminar algum dos suspeitos.
"Ninguém foi detido pois nós cumprimos os mandados para ver se localizávamos primeiro os arquivos informados na denúncia. Feito isso, o material apreendido será levado para laudo pericial. Só então iremos interrogar os suspeitos", alegou.
Ceará
A delegada informou que o Ceará ocupa lugar de destaque no País quando se trata de apurar casos de pedofilia.
"O Ceará é o quarto maior Estado em termos de investigação de pedofilia no Brasil. Neste momento, por exemplo, tenho 120 inquéritos em andamento, somente aqui em Fortaleza. A identificação dos criminosos pode ser feita pelas pastas utilizadas no computador, pelos perfis nas redes sociais ou até pelos e-mails recebidos e enviados", explicou Alexsandra.
O crimes investigados, segundo a PF, são caracterizados por "possuir, armazenar ou transmitir por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente, além do uso da internet para transmitir esse conteúdo". De acordo com a delegada, a ocorrência da pedofilia é registrada "principalmente nas Capitais".
As penas para os condenados são de 1 a 4 anos e multa para quem armazenar arquivos com conteúdo sexual envolvendo crianças e adolescentes; de 2 a 4 anos para quem tiver posse destes arquivos; 3 a 6 anos e multa para quem transmite os arquivos e de 4 a 8 anos e multa para quem produzir os arquivos, seja filmando ou fotografando.

Fique por dentro
Denúncia partiu do Google e do Facebook
As duas empresas americanas Google e Facebook, gigantes da internet, foram as responsáveis por dar início às investigações da Polícia Federal que cumpriu mandados de busca e apreensão em Fortaleza.
De acordo com as corporações americanas, cinco IPs fortalezenses eram apontados como fontes de origem de conteúdo sexual envolvendo crianças e adolescentes.
As empresas enviaram as denúncias para a Polícia Federal de São Paulo, em 2012. De lá, a denúncia chegou à Justiça paulista que, por sua vez, encaminhou os dados e as informações acerca dos suspeitos, que residiam em Fortaleza, para a Polícia Federal do Ceará.
O material chegou à PF cearense no começo do ano. Então, foram solicitados os mandados de busca e apreensão, que foram cumpridos na manhã de ontem em quatro bairros da Capital, Até o fechamento desta edição, ninguém havia sido preso
Levi de Freitas
Repórter

Pedreiro é assassinado dentro de casa na zona rural de Caridade


VIATURAS 3 Canindé
Por volta de 01hs00min, a Policia Militar foi informada pelo policiamento do destacamento de Campos Belos que havia ocorrido um homicídio à bala na rua Antonio Salvino nº 1178, Bairro 03 (três) bocas. Segundo informações de familiares da vítima, um indivíduo moreno, aproximadamente 1,60m de altura, trajando camisa vermelha, chegou a pé e aproveitando que a porta estava aberta, adentrou na residência da vítima, de nome Moura Neto Tavares, servente de pedreiro, 27 anos, e efetuou 04 (quatro) disparos, vindo a atingir a vitima com dois tiros, um no peito direito e o outro no braço direito.

A composição do FTA de Canindé também foi acionada para dar apoio ao policiamento de Campos Belos no intuito de localizar e prender o acusado, mas até o momento o autor do crime não foi localizado. O corpo foi conduzido pelo rabecão para o IML de Canindé-CE.
 Fonte: Rádio Jornal de Canindé

Criminosos tentam executar mototaxista em praça pública de Quixadá

Quixadá

A Polícia registrou na noite desta terça-feira, 16, no bairro Campo Novo, uma tentativa de homicídio à bala. A vítima foi um mototaxista de 26 anos. Ele estava sentado num banco, na praça da Igreja de Santa Terezinha, muito movimentada, principalmente no período noturno, quando foi surpreendido por dois homens. Foram efetuados quatro disparos. Dois deles acertaram a vítima, um deles no tórax e o outro no pé esquerdo .
O mototaxista foi socorrido por populares ao Hospital Municipal Eudásio Barroso. Conforme informações preliminares da Polícia ele não corre risco de morte. Alegou desconhecer os motivos da tentativa de homicídio. Disse ainda não saber quem são os autores do crime. O caso está sendo investigado pela equipe da Polícia Civil. No início desta semana a instituição passou a funcionar no bairro Campo Novo. O crime ocorreu a pouco mais de mil metros da nova delegacia.

Acusado de assalto é encontrado morto em cova rasa próxima a lixão

Milhã

A Polícia Militar de Irapuan Pinheiro encontrou no fim da tarde desta terça-feira, 16, o corpo de um homem, enterrado numa cova rasa. O local fica situado nas proximidades do aterro sanitário, no lixão de Milhã, no Sertão Central.
A vítima foi identificada como sendo o agricultor Euclides Gomes da Silva, 29 anos. Ele estava desaparecido desde o último domingo, 14. Ainda conforme a Polícia, a vítima respondia por crime de assalto, na cidade de Senador Pompeu.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Mecânico que ensina a ligar carro com boldo faz sucesso na internet

'Dr. Macete' reproduz no G1 a artimanha que ensinou em canal na web.
Ele diz que frequenta oficina desde os 14 anos e aprendeu tudo com o pai.

Glauco AraújoDo G1, em São Paulo
 O mecânico Everson Boer, de Campinas (SP), é conhecido desde 2011 como Dr. Macete, personagem que criou para ilustrar os mais de 100 vídeos que tem na internet com dicas inusitadas para carros. A filmagem em que ele usa um galho de boldo para fazer um veículo dar partida tem 112.390 visualizações. O macete, diz ele, é indicado a quem perdeu o cabo de bobina do motor depois de removê-lo para evitar o roubo do carro.
A dica simples, porém, tem seus riscos, que o próprio Dr. Macete lembra: “É preciso tomar cuidado porque, se uma das folhas ficar em contato com a lataria do carro e alguém encostar no carro pode levar um choque. Tensão primária e secundária dão choque".
O cabo da bobina, assim como os cabos de vela, possui alta resistência à corrente elétrica, com o objetivo de elevar a tensão no sistema e produzir uma faísca na ponta da vela suficiente para queimar a mistura ar-combustível e fazer a combustão no motor.
O galho faz as vezes do cabo porque "todo organismo vivo contém uma solução que conduz corrente elétrica, composta por água e sais dissolvidos", explica Adaulto Pessoa, professor de química do Cursinho da Poli. "Essa mistura cria uma solução eletrolítica. Pode ser qualquer galho, não só o de boldo."
Mas a artimanha não pode ser usada em qualquer carro. "O quebra-galho funciona para veículos mais antigos, produzidos antes do ano 2000, que têm esse cabo de bobina, e para pequenos percursos, pois ele (o boldo) só funcionará enquanto estiver úmido", explica o colunista do G1, Denis Marum. "Antigamente, os veículos possuíam a bobina e distribuidor separados ligados pelo cabo. Nos carros mais modernos existe uma peça única, fazendo a função da bobina e do distribuidor, eliminando o cabo."
"Aqui na oficina vem carro novo e carro velho. Ainda tem cliente com carro que usa bobina", diz o mecânico. Ao explicar a dica no YouTube, Dr. Macete brinca, recomendando que o motorista carregue um pé de boldo no porta-malas, para substituir o galho que ficar seco.
Como tudo começou
O mecânico de 35 anos conta que foi o pai, Claudemir Boer, que o ensinou a profissão. “Não fiz cursos técnicos. Eu sempre seguia meu pai desde pequeno na oficina e fui aprendendo. Foi ele que me ensinou tudo que sei, até a receita do boldo."
Os vídeos não são a principal ocupação de Boer, cuja pequena oficina, instalada em um bairro calmo de Campinas, está sempre cheia. No início, a ideia era só manter o cliente informado. “Comecei publicando um vídeo que era sobre o carro de um cliente, só para ele ver o carro na oficina. Aí foi tendo visualização, a coisa foi aumentando e eu pensei: quem está vendo esse negócio aí? Eu não avisei meu pai, nem minha mãe", brinca Dr. Macete.
Segundo ele, os vídeos fizeram a clientela aumentar. "A audiência total dos vídeos já passou de 5 milhões", afirma. "Já atendi uma mulher de Ibiúna, que viu os meus vídeos. Um mecânico quis cobrar uma fortuna para consertar o carro dela e ela veio até aqui para eu consertar. Mais recentemente, um vizinho meu, que não me conhecia, trouxe o carro depois de ver o meu canal na internet."
Dr. Macete explica que se inspirou em outros vídeos sobre carros na internet para fazer seu próprio conteúdo. "Eu via na internet alguns vídeos sobre mecânica e me interessei em fazer vídeos com dicas. Faço os vídeos tanto para os donos dos carros, para mecânicos, para quem entende e não entende nada de carro”, afirma. O canal de Boer no YouTube tem 28 mil inscritos.
Outros macetes
Em outro vídeo que postou na internet e reproduziu no vídeo acima, Dr. Macete ensina como ligar um carro que está com a bateria descarregada. Ele usa duas chaves de roda para dar carga e funcionar o carro(assista ao lado).
“São dicas para ajudar o motorista em uma situação inesperada, em um lugar inseguro, sem apoio técnico", diz Boer.
Marum, colunista do G1, confirma que a famosa "chupeta", apesar de não ser recomendada pelas montadoras, é um procedimento muito utilizado. Porém, a recomendação é ter cabos apropriados para isso, vendidos em lojas de autopeças. "Os dois carros devem estar desligados; quando for dar a partida, é bom estar a uma distância segura", observa. "Esse procedimento oferece riscos. Se uma das baterias estiver com vazamento de ácido, poderá ocorrer a explosão da bateria."
Dr. Macete também ensina a magnetizar uma chave de fenda (veja no vídeo ao lado). A dica, dedicada a quem adora "fuçar" no carro, é para conseguir pegar alguma peça ou parafuso que caia em um espaço apertadinho do motor, "onde não seja possível colocar a mão", diz o mecânico.
"A ideia é boa e funciona", comenta Marum. "Apenas verifique se não há vazamento de ácido na bateria, bornes com aquele pó branco são indício que a bateria possui vazamento e o risco de explosão é maior. Além disso, faça o procedimento longe de líquidos inflamáveis: uma pequena faísca poderá gerar um incêndio em sua garagem."
Coadjuvantes
Dr. Macete não aparece sozinho nos vídeos. Ele criou outros três personagens para dividir a atenção nos vídeos. Um deles é o Macetinho, uma marionete feita de caixa de leite, retalho de pano e fios de lã. "A Ana Maria Braga tem o Louro José e eu tenho o Macetinho. Ele é o perguntador, é ele que faz as perguntas com as dúvidas dos internautas."
O outro é o Mascotinho, um rato de plástico que ele coloca, geralmente sobre o motor, para ilustrar alguma explicação técnica. E o terceiro personagem é humano e chamado por ele de Macetão. "Ele é igual cabeça de bacalhau, ninguém vê. Aparece em partes, nunca mostra o rosto. Ele faz de tudo, me ajuda nas filmagens."
  •  
Everson Boer é conhecido como Dr. Macete e faz sucesso na internet com vídeos de dicas mecânicas (Foto: Glauco Araújo/G1)Everson Boer é conhecido como Dr. Macete e faz sucesso na internet com vídeos de dicas de mecânica
(Foto: Glauco Araújo/G1)

Pau de Arara e Romaria Representam Desenvolvimento Econômico e justiça Social.

“Será o Fim da Romaria através de carros pau de arara?” (Grifos). Assim indagou o conceituado Site C4Notícias diante repercussão surtida na população de Canindé e Região com a difusão da recomendação oficial para que haja uma atenção redobrada das autoridades de trânsito em parte do Nordeste no sentido de somente permitir a circulação de veículos de passageiros do tipo Pau de Arara, que atendam imperiosamente aos requisitos estabelecidos pela Resolução N° 82, de 19 de Novembro de 1998 do Conselho Nacional de Tânsito – CONTRAN, que dispõe sobre a autorização, a título precário, para o transporte de passageiros em veículos de carga.

O Pau de Arara é um veículo de carroceria (caminhão ou camionete) adaptado com vários assentos feitos de tábuas e cobertura de madeira em forma de grade utilizados em larga escala como meio de transporte de passageiros e cargas que muito bem caracteriza quem teve importância decisiva no desenvolvimento econômico e social de milhares de localidades rurais do Nordeste brasileiro depois do jumento nosso irmão, como bem dizia o Pe. Vieira em sua monumental obra sobre a importância do animal agreste para o desenvolvimento da humanidade e mais especialmente do Nordeste brasileiro.

Segundo a Wikipedia, “O termo pau de arara designa uma vara utilizada no interior do país para o transporte de araras, papagaiso e outros pássaros. Segundo o folclorista Câmara Cascudo, o termo migrou para designar o meio de transporte improvisado em razão da algazarra feita pelas aves, similar à dos passageiros que usam tal veículo, em precário arranjo, promiscuidade e desasseio...”(Griffos)

Apropriado para trafegar em terrenos com desníveis e obstáculos, próprios do relevo acidentado do Sertão Nordestino, onde não há a menor condição para o regular transporte de passageiros em ônibus, devido as dificuldades de acesso, o Pau de Arara supre as necessidades da demanda rural por transporte de passageiros e cargas fazendo a integração de populações inteiras que residem em localidades íngremes de difícil acesso.

O Pau de Arara transporta pessoas e cargas diariamente sempre no mesmo horário, ligando o sertão a cidade por estradas carrocáveis repletas de grotas, pedras e riachos que ajudam a desenhar o caminho tortuoso, cheios de obstáculos impostos pela Mãe Natureza, mas que são motivos e razões que tornaram o Pau de Arara o transporte mais eficaz e de baixo custo para suportar as mais longínquas e exaustivas das viagens, conduzindo o cidadão desde a origem em localidades rurais até chegar ao destino em cidades da zona urbana de milhares de municípios do Nordeste brasileiro.

Não tendo outro que fraça igual, ainda que desconfortável, sem cinto de segurança e banheiro, por se constituir em transporte precário de passageiros em veículo de carga adaptado, o Pau de Arara possui “autorização excepcional” para circular dentro dos limites e vizinhanças do município, tal qual estabele a Resolução n° 82/1998 do CONTRAN, nos seguintes termos:

Art. 2° Este transporte só poderá ser autorizado entre localidades de origem e destino que estiverem situadas em um mesmo município, municípios limítrofes, municípios de um mesmo Estado, quando não houver linha regular de ônibus ou as linhas existentes não forem suficientes para suprir as necessidades daquelas comunidades.

Pau de Arara na Romaria

É mais que necessário, portanto, que a segurança dos romeiros seja uma prioridade máxima nas rodovias e vias por onde é transportada uma população flutuantes de aproximadamente dois a cinco milhões de romeiros com destino aos dois maiores atrativos do turismo religioso do Ceará e do Nordeste brasileiro. A permissão do Pau de Arara para o transporte de passageiros em Romarias é autorizada, somente em caráter excepcional, pela Resolução n° 82/1998, que estabelece as seguintes condições:

Art. 2°, § 2º Excetua-se do estabelecido neste artigo, a concessão de autorização de trânsito entre localidades de origem e destino fora dos limites de jurisdição do município, nos seguintes casos:

III - viagens por motivos religiosos, quando não houver condições de atendimento por transporte de ônibus;

Ora, os custos financeiros com os mais variados gastos durante uma viagem determinam quais as pessoas que possuem a capacidade econômica para se deslocar para outras cidades seja a trabalho, excursão, turismo ou para visitar amigos e familiares.

Desfrutar da segurança e do conforto compatível com os mais exigentes padrões é um privilégio de poucos e algo bem distante da realidade econômica de milhares de romeiros, que se submetem ao risco e desconforto de andar de Pau de Arara, por caber no bolso todas as despesas de viagem, quando resolvem visitar as cidades sedes do Turismo Religioso para pagar promessas e participar de romarias em reverência ao santo padroeiro.

Portanto, realizar uma viagem em transporte seguro que atenda aos mais exigentes padrões e conceitos de segurança e conforto no trânsito é algo que dependerá bem mais de uma melhora nos índices do desenvolvimento humano dos nordestinos do que propriamente de uma lei ou decreto que porventura imponha custos impossíveis de serem suportados por uma esmagadora legião de romeiros de baixa renda.

Ademais, a simples indisponibilidade de veículos de transporte de passageiros em linhas regulares de ônibus intermunicipais, fato comum na cidade de Canindé, onde passageiros deixam de viajar por faltas de vagas, é um motivo a mais para que o Pau de Arara continue cada vez mais presente no cotidiano do transporte essencial dos mais necessitados.

O poder de ligar diretamente a orgiem e o destino dos romeiros sem a necessidade de passar pelo transtorno de ser obrigado a relaizar variadas conexões entre transportes de passageiros, viajando de cidade em cidade, de rodoviária em rodoviária com custos de passagens e alimentação que extrapolam sua capacidade financeira é o principal atrativo para quem deseja participar de uma romaria, sozinho ou junto com toda a família, sem descuidar da famosa “lata de farofa” na bagagem para não perder tempo e o pouco dinheiro em restaurantes à beira das estradas.

Os custos com as passagens e alimentação para o romeiro que pega o Pau de Arara na sua localidade rural até chegar a cidade da Romaria tem a mesma relação operacional e logística com quem tira o carro próprio da garagem para viajar com toda a sua família. A única diferênça é determinada pela capacidade financeira que cada um tem na hora de suportar os custos da viagem.

Invés disso, encontrar um transporte de passageiros que possa ligar dois milhões de romeiros desde a origem das localidades rurais, onde residem, até chegar ao destino, que é a cidade de Canindé ou Juazeiro do Norte, para participar das romarias, é algo que aumenta bastante o risco e por conta disso, merece louvor a iniciativa das autoridades em redobrar os esforços no sentido de tudo fazer para garantir a segurança e a vida de passageiros que utilizam o Pau de Arara.

O comportamento cultural da Romaria de São Francisco é uma tradição que foi construída desde a primeira realização de uma das festas religiosas mais antigas do Ceará. A Romaria, seja de São Francisco em Canindé ou Pe. Cícero em Juazeiro do Norte, serviram para estabelecer as bases da Justiça Social ao fundar e manter o desenvolvimento sócio econômico de toda uma população regional que acolhe os romeiros durante sua estadia para pagar promessas e reverenciar o santo padroeiro na Romaria.

Tal o movimento de uma gangorra, milhares de romeiros, aos poucos, estão subsituindo gradativamente o Pau de Arara por ônibus, carros e motos para seguir em Romaria, enquantos outros milhões de peregrinos, ainda seguem de Pau de Arara com o mesmo entusiasmo e devoção em busca do mesmo amparo junto ao santo padroeiro. Vejamos então como mudou o comportamento humano lendo o trecho da Música Estrada de Canindé – Luiz Gonzaga:

“Artomove lá nem sabe se é home ou se é muié /
Quem é rico anda em burrico /
Quem é pobre anda a pé...” (Grifos)

Desde a primeira Romaria de São Francisco muita coisa mudou. Os mais idosos lembram bem o que passaram nas romarias de antigamente, e hoje são testemunhas vivas de tantas coisas que mudaram, mas que em nenhuma época, seja antiga ou moderna, absolutamente nada conseguiu alterar nos romeiros a fé em Deus e a confiança em São Francisco, que permanecem inalteradas...

Portanto sobre a indagação: “Será o Fim da Romaria através de carros pau de arara?”, resta responder que enquanto houver Romeiro, Pau de Arara e Romaria garantido estará o sustento de milhares de famílias da Região de Canindé e Juazeiro do Norte que se desenvolveram econômica e socialmente prestando serviços e negociando bens de consumo na cidade sede da Romaria.

A Romaria e o Pau de Arara nunca deixarão de existir enquanto milhões de romeiros continuarem sofrendo o peso das desigualdades sociais geradas pela injusta distribuição das riquezas e rendas que ficam concentradas nas mãos de poucos privilegiados do mais alto padrão e conceito econômico...

Responsabilidade André Noronha Brasil

Acadêmico de Administração em Gestão Pública
Universidade Federal do Ceará UFC

Foto: Pau de Arara e Romaria Representam Desenvolvimento Econômico e justiça Social.

“Será o Fim da Romaria através de carros pau de arara?” (Grifos). Assim indagou o conceituado Site C4Notícias diante repercussão surtida na população de Canindé e Região com a difusão da recomendação oficial para que haja uma atenção redobrada das autoridades de trânsito em parte do Nordeste no sentido de somente permitir a circulação de veículos de passageiros do tipo Pau de Arara, que atendam imperiosamente aos requisitos estabelecidos pela Resolução N° 82, de 19 de Novembro de 1998 do Conselho Nacional de Tânsito – CONTRAN, que dispõe sobre a autorização, a título precário, para o transporte de passageiros em veículos de carga.

O Pau de Arara é um veículo de carroceria (caminhão ou camionete) adaptado com vários assentos feitos de tábuas e cobertura de madeira em forma de grade utilizados em larga escala como meio de transporte de passageiros e cargas que muito bem caracteriza quem teve importância decisiva no desenvolvimento econômico e social de milhares de localidades rurais do Nordeste brasileiro depois do jumento nosso irmão, como bem dizia o Pe. Vieira em sua monumental obra sobre a importância do animal agreste para o desenvolvimento da humanidade e mais especialmente do Nordeste brasileiro.

Segundo a Wikipedia, “O termo pau de arara designa uma vara utilizada no interior do país para o transporte de araras, papagaiso e outros pássaros. Segundo o folclorista Câmara Cascudo, o termo migrou para designar o meio de transporte improvisado em razão da algazarra feita pelas aves, similar à dos passageiros que usam tal veículo, em precário arranjo, promiscuidade e desasseio...”(Griffos)

Apropriado para trafegar em terrenos com desníveis e obstáculos, próprios do relevo acidentado do Sertão Nordestino, onde não há a menor condição para o regular transporte de passageiros em ônibus, devido as dificuldades de acesso, o Pau de Arara supre as necessidades da demanda rural por transporte de passageiros e cargas fazendo a integração de populações inteiras que residem em localidades íngremes de difícil acesso.

O Pau de Arara transporta pessoas e cargas diariamente sempre no mesmo horário, ligando o sertão a cidade por estradas carrocáveis repletas de grotas, pedras e riachos que ajudam a desenhar o caminho tortuoso, cheios de obstáculos impostos pela Mãe Natureza, mas que são motivos e razões que tornaram o Pau de Arara o transporte mais eficaz e de baixo custo para suportar as mais longínquas e exaustivas das viagens, conduzindo o cidadão desde a origem em localidades rurais até chegar ao destino em cidades da zona urbana de milhares de municípios do Nordeste brasileiro.

Não tendo outro que fraça igual, ainda que desconfortável, sem cinto de segurança e banheiro, por se constituir em transporte precário de passageiros em veículo de carga adaptado, o Pau de Arara possui “autorização excepcional” para circular dentro dos limites e vizinhanças do município, tal qual estabele a Resolução n° 82/1998 do CONTRAN, nos seguintes termos:

Art. 2° Este transporte só poderá ser autorizado entre localidades de origem e destino que estiverem situadas em um mesmo município, municípios limítrofes, municípios de um mesmo Estado, quando não houver linha regular de ônibus ou as linhas existentes não forem suficientes para suprir as necessidades daquelas comunidades.

Pau de Arara na Romaria

É mais que necessário, portanto, que a segurança dos romeiros seja uma prioridade máxima nas rodovias e vias por onde é transportada uma população flutuantes de aproximadamente dois a cinco milhões de romeiros com destino aos dois maiores atrativos do turismo religioso do Ceará e do Nordeste brasileiro. A permissão do Pau de Arara para o transporte de passageiros em Romarias é autorizada, somente em caráter excepcional, pela Resolução n° 82/1998, que estabelece as seguintes condições:

Art. 2°, § 2º Excetua-se do estabelecido neste artigo, a concessão de autorização de trânsito entre localidades de origem e destino fora dos limites de jurisdição do município, nos seguintes casos:

III - viagens por motivos religiosos, quando não houver condições de atendimento por transporte de ônibus;

Ora, os custos financeiros com os mais variados gastos durante uma viagem determinam quais as pessoas que possuem a capacidade econômica para se deslocar para outras cidades seja a trabalho, excursão, turismo ou para visitar amigos e familiares.

Desfrutar da segurança e do conforto compatível com os mais exigentes padrões é um privilégio de poucos e algo bem distante da realidade econômica de milhares de romeiros, que se submetem ao risco e desconforto de andar de Pau de Arara, por caber no bolso todas as despesas de viagem, quando resolvem visitar as cidades sedes do Turismo Religioso para pagar promessas e participar de romarias em reverência ao santo padroeiro.

Portanto, realizar uma viagem em transporte seguro que atenda aos mais exigentes padrões e conceitos de segurança e conforto no trânsito é algo que dependerá bem mais de uma melhora nos índices do desenvolvimento humano dos nordestinos do que propriamente de uma lei ou decreto que porventura imponha custos impossíveis de serem suportados por uma esmagadora legião de romeiros de baixa renda.

Ademais, a simples indisponibilidade de veículos de transporte de passageiros em linhas regulares de ônibus intermunicipais, fato comum na cidade de Canindé, onde passageiros deixam de viajar por faltas de vagas, é um motivo a mais para que o Pau de Arara continue cada vez mais presente no cotidiano do transporte essencial dos mais necessitados.

O poder de ligar diretamente a orgiem e o destino dos romeiros sem a necessidade de passar pelo transtorno de ser obrigado a relaizar variadas conexões entre transportes de passageiros, viajando de cidade em cidade, de rodoviária em rodoviária com custos de passagens e alimentação que extrapolam sua capacidade financeira é o principal atrativo para quem deseja participar de uma romaria, sozinho ou junto com toda a família, sem descuidar da famosa “lata de farofa” na bagagem para não perder tempo e o pouco dinheiro em restaurantes à beira das estradas.

Os custos com as passagens e alimentação para o romeiro que pega o Pau de Arara na sua localidade rural até chegar a cidade da Romaria tem a mesma relação operacional e logística com quem tira o carro próprio da garagem para viajar com toda a sua família. A única diferênça é determinada pela capacidade financeira que cada um tem na hora de suportar os custos da viagem.

Invés disso, encontrar um transporte de passageiros que possa ligar dois milhões de romeiros desde a origem das localidades rurais, onde residem, até chegar ao destino, que é a cidade de Canindé ou Juazeiro do Norte, para participar das romarias, é algo que aumenta bastante o risco e por conta disso, merece louvor a iniciativa das autoridades em redobrar os esforços no sentido de tudo fazer para garantir a segurança e a vida de passageiros que utilizam o Pau de Arara.

O comportamento cultural da Romaria de São Francisco é uma tradição que foi construída desde a primeira realização de uma das festas religiosas mais antigas do Ceará. A Romaria, seja de São Francisco em Canindé ou Pe. Cícero em Juazeiro do Norte, serviram para estabelecer as bases da Justiça Social ao fundar e manter o desenvolvimento sócio econômico de toda uma população regional que acolhe os romeiros durante sua estadia para pagar promessas e reverenciar o santo padroeiro na Romaria.

Tal o movimento de uma gangorra, milhares de romeiros, aos poucos, estão subsituindo gradativamente o Pau de Arara por ônibus, carros e motos para seguir em Romaria, enquantos outros milhões de peregrinos, ainda seguem de Pau de Arara com o mesmo entusiasmo e devoção em busca do mesmo amparo junto ao santo padroeiro. Vejamos então como mudou o comportamento humano lendo o trecho da Música Estrada de Canindé – Luiz Gonzaga:

“Artomove lá nem sabe se é home ou se é muié /
Quem é rico anda em burrico /
Quem é pobre anda a pé...” (Grifos)

Desde a primeira Romaria de São Francisco muita coisa mudou. Os mais idosos lembram bem o que passaram nas romarias de antigamente, e hoje são testemunhas vivas de tantas coisas que mudaram, mas que em nenhuma época, seja antiga ou moderna, absolutamente nada conseguiu alterar nos romeiros a fé em Deus e a confiança em São Francisco, que permanecem inalteradas...

Portanto sobre a indagação: “Será o Fim da Romaria através de carros pau de arara?”, resta responder que enquanto houver Romeiro, Pau de Arara e Romaria garantido estará o sustento de milhares de famílias da Região de Canindé e Juazeiro do Norte que se desenvolveram econômica e socialmente prestando serviços e negociando bens de consumo na cidade sede da Romaria. 

A Romaria e o Pau de Arara nunca deixarão de existir enquanto milhões de romeiros continuarem sofrendo o peso das desigualdades sociais geradas pela injusta distribuição das riquezas e rendas que ficam concentradas nas mãos de poucos privilegiados do mais alto padrão e conceito econômico...

Responsabilidade André Noronha Brasil

Acadêmico de Administração em Gestão Pública
Universidade Federal do Ceará UFC