quarta-feira, 23 de março de 2016

Penitentes perpetuam tradição em Barbalha

Barbalha. Velas acesas e orações em forma de cânticos. É dessa forma que grupos de penitentes da região do Cariri mantém viva a tradição secular neste período da Semana Santa. Na noite de ontem, os fiéis saíram em procissão, pelo centro histórico, ressoando benditos das incelenças. Conforme a tradição cultural, durante o percurso, os penitentes saem com velas ou tochas acesas. Antes, porém, em frente à Igreja do Rosário, alguns devotos realizaram ritual de autoflagelação para, em seguida, rezarem um terço.
O agricultor Cícero Jerônimo de Sousa, 43, realiza as penitencias desde os 12 anos de idade. Há 18 passou a realizar o autoflagelo para, segundo ele, "purificar o corpo dos pecados". Para Jerônimo, a Semana Santa é o período de "lembrar o sofrimento vivido por Jesus Cristo e louvar por Ele ter dado a vida por nós". Durante a procissão, Cícero cantou incansavelmente o cântico Martírio de Jesus.
Tradição
O decurião do grupo da cidade de Abaiara, Manoel Cândido Pereira, conta que o grande desafio atualmente é "trazer a juventude para que a tradição não morra". Aos 85 anos, ele sai em procissão há mais de seis décadas e enfatiza que a fé o mantém fiel aos costumes ensinados pelos pais. "Entrei no grupo quando tinha 22 anos e estou até hoje, com muita fé em Deus e no Padim Ciço, e quero ficar até meus últimos dias de vida", conta.
O mais novo dos penitentes tem apenas dez anos, mas já entende bem o significado deste momento. Felipe Alexo dos Santos explica que entrou no grupo no ano passado, por iniciativa própria, e incentivou os primos mais velhos a participarem. "É um momento importante porque celebramos Jesus Cristo. Me sinto contente em participar e no dever de trazer mais pessoas", pondera o garoto.
O secretário de Cultura de Barbalha, Antônio de Luna, ressalta que este momento é uma forma de valorizar a tradição e fortalecer esses grupos. "Nosso objetivo é assegurar a manutenção desta cultura, fazendo com que a tradição seja repassada de geração para geração", pontuou. Ele destacou, ainda, a importância da regionalização dos penitentes. "Hoje temos uma mescla de grupos de várias cidades do Cariri, importante para a troca de conhecimentos e para mostrar a sociedade que a tradição ainda se mantém viva", concluiu.
Programação
A programação começou segunda-feira, com o grupo de Penitentes Irmãos da Cruz no Cemitério do Sítio Cabeceiras e encenação teatral na Igreja do Rosário, da peça "A Paixão Segundo o Sonho de Alice", com o grupo Teatral Lamparinas. O evento religioso segue até domingo.
No sítio Brejinho, acontece a encenação da Paixão de Cristo, amanhã e Sexta-Feira Santa, com o grupo Teatral Louco Em Cena. No sábado acontece o Forró da Aleluia, no distrito do Caldas, com o grupo de forró pé de serra Panticola e Casaca de Couro. O encerramento será no domingo, com as queimas de Judas do bairro Cirolândia ; do distrito de Arajara; do Sítio Cabeceiras; do Sítio Taquarí e da Rua Zuca Sampaio.

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Raio de Canindé bota pra lascar.

Foi preso na noite de terça feira no bairro do “S”,  individuo portando um revolver cal. 38 o nome dele não foi divulgado, o que se sabe p...